7180

UTR 7140

ARQUITETURA

Arquitetura UTRA arquitetura das UTRs é totalmente modular, baseada em bastidores, sub-bastidores, cartões e módulos de condi- cionamento, que simplificam as tarefas de manutenção.

Montados em armários de diversos tamanhos, os bastidores e sub-bastidores recebem os cartões funcionais, que podem ser de vários tipos, como cartões com unidades de processamento, interfaces de comunicação, conversores A/D ou D/A, de entrada ou saída digitais, entre outros, dependendo da configuração selecionada.

Ligados aos cartões funcionais, os módulos de condicionamento, módulos de proteção e conversores são montados em trilhos para facilitar a conexão com os cabos provenientes do campo. Todos os módulos possuem borneiras do tipo COMBICON, que podem receber diretamente os cabos provenientes do campo.

APLICAÇÕES

  • Supervisão, controle e automação de subestações de distribuição, transmissão e de usinas geradoras.

 

FUNCIONALIDADES

  • Possibilidade de integração de dispositivos de controle e proteção;
  • Recursos para a elaboração de intertravamentos e processamento de automatismos;
  • Comunicação por rádio, celular, fibra óptica, satélite ou outros meios;
  • Coletam informações através de entradas digitais com a geração de sequência de eventos com precisão de 1ms;
  • Possibilidade de serem sincronizadas por sinal IRIG-B externo ou por utilização de receptor de sinal de GPS interno;
  • Efetuam comandos por meio de saídas digitais em contato seco ou tensão;
  • Procedimentos de segurança para habilitação e circuitos de verificação da integridade dos acionadores e dos contatos dos relés;
  • Efetuam a aquisição de informações referentes a medidas provenientes de transdutores analógicos através de conversores analógicos/digitais;
  • Comunicam-se com múltiplos Centros de Operação, utilizando diversos protocolos e vários meios de comunicação, por canal simples ou redundante;
  • Comunicam-se com multimedidores digitais, relés digitais, sub-UTRs, Unidades de Aquisição e Controle ou quaisquer outros dispositivos microprocessados (IEDs), obtendo informações de medição, sinalização, proteção, alarme e enviando comandos;
  • Possibilidade de desenvolvimento de automatismos e intertravamentos por meio de programação em linguagem de alto-nível;
  • Permitem a operação local da instalação por meio de IHM baseada em microcomputador, com software SCADA.

 

 

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

As UTRs STD são capazes de atender a todo tipo de demanda do Setor Elétrico, com capacidade máxima de configurações conforme detalhado na tabela a seguir:

Capacidade dos modelos UTR STD STD-7100 STD-7140 Micro Remota
Número máximo de Entradas Digitais 4096 64
Número máximo de Entradas Analógicas 4096 16
Número máximo de Saídas Digitais 4096 32
Número máximo de Saídas Analógicas 4096 16
Número máximo de Canais Seriais 32 8
Número máximo de Interfaces Ethernet 2 1
Número máximo de Conexões TCP/IP (modo servidor) 16 1
Número máximo de Conexões TCP/IP (modo cliente) 32 -
Resolução de Sequência de Eventos (ms) 1 2
Número máximo de sub-UTRs (Arquitetura distribuída) 32 -
Número máximo de IEDs 64 8

CONFIGURAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

  • Configuração por meio de programa em ambiente Windows com opções de download, upload e de monitoração em tempo real;
  • Sistema de programação de lógicas e automatismos em ambiente Windows com disponibilidade de todas as linguagens da norma IEC 61131-3. Este sistema permite também a simulação e a monitoração dos programas no computador de desenvolvimento.

PROTOCOLOS DE COMUNICAÇÃO

  • IEC 60870-5-101
  • IEC 60870-5-103
  • IEC 60870-5-104
  • IEC 61850
  • DNP3.0
  • ModBus
  • SPABUS
  • RP570
  • Outros protocolos sob consulta.

REGISTRO DE EVENTOS DIGITAIS

  • Registro de eventos de mudança digital com resolução de 1ms;
  • Exatidão de 1ms garantida por receptor GPS incorporado ou por sinal IRIG-B externo;
  • Atendem totalmente aos requisitos de exatidão e desempenho do ONS (Sub-módulo 2.7).

SEGURANÇA NA EXECUÇÃO DE COMANDOS

As UTRs STD possuem mecanismos que garantem a segurança na execução dos comandos de suas saídas digitais. Com recursos de Check Before Operate (CBO) é realizada a verificação de detecção de falhas no aciona- mento das saídas digitais, eliminando a possibilidade de execução de comandos indevidos.

end faq

    Acesso Restrito